RODAS

Roda com alunos do projeto - 17/09/2011 - TEIA



O Núcleo de Samba Cupinzeiro com o apoio do Proext/Cultura e do Curso de Educação Musical da UFSCar e também em parceria com a TEIA - Casa de Criação realizou em São Carlos no período de outubro de 2010 a fevereiro de 2011, rodas de samba com o intuito de reunir pessoas interessadas em conhecer, cantar, dialogar e compartilhar saberes sobre o samba e sobre tudo o que envolve essa prática musical e cultural brasileira.

Atualmente além das rodas o projeto agrega oficinas de educação musical e grupos de estudo em instrumentos desenvolvidos em parceria com o curso de Educação Musical da UFSCar. Nessa nova fase, o projeto ganhou novo título - "Prática de Samba: o aprendizado musical na roda" e conta com o apoio da Pró-reitoria de Gestão de pessoas da UFSCar.

Por se tratar de uma manifestação cultural realizada de modo "tradicional" no sentido de não haver a amplificação sonora, a roda passa a ser feita por todos os que se encontram presentes. Portanto, a sua postura define o modo como você participa da roda.

Se você é músico, conhece samba e tem domínio do repertório cantado coletivamente, poderá sentar-se conosco, cantar e tocar contribuindo para que o samba se fortaleça. Se você não é músico mas ouve e gosta de samba venha cantar e bater na palma de mão, some sua voz a nossa ou sambe e traga movimento a nossa manifestação. Escute atentamente aquele samba desconhecido de modo a ir se inserindo a cada refrão, para ir se juntando ao coro que nos remete a memória de nossos ancestrais.

O samba feito coletivamente nos leva para além do espaço e do tempo cotidiano. A união das vozes chega mais longe e deixa a poesia mais clara e cheia de beleza. Ao cantar coletivamente o tempo toma outra dimensão, a roda de samba é um rio de memórias, suas águas são navegadas pela embarcação do presente rumo ao que virá como fruto dessa união e da liberdade de quem canta, se expressa e se insere na história sendo capaz de reconstruir a cultura de um povo.

No mês da consciência negra vale trazer à consciência coletiva a idéia de que graças a toda a resistência do negro em continuar mantendo vivas as suas tradições, e graças a sua força transformadora, o samba hoje pode ser cantado por todos nós, negros, brancos, velhos, crianças, jovens, mulheres, homens todos presentes em um mesmo espaço de sociabilidade, seja ele o bar a casa de cultura a academia, a escola, o terreiro, a rua, ou qualquer lugar onde se possa formar uma roda e celebrar a união.

O Cupinzeiro há 10 anos vem buscando, conhecer e se aprofundar nesse universo, respeitando a cultura do samba como fruto de um longo processo histórico marcado por muitos conflitos e ainda hoje permeado por preconceitos. Não é raro ouvirmos relatos de antigos sambistas que foram presos, apanharam e muitas vezes trazem os corpos marcados pela intolerância ou ainda tiveram seus instrumentos quebrados por estarem reunidos em torno do samba e de outras manifestações ligadas a esse universo cultural.

Para o Cupinzeiro cada roda de samba é um momento de muita alegria por podermos nos relacionar com a cultura e com as pessoas trazendo à tona vozes que ficaram soterradas pela história oficial mas que tiveram no samba uma importante via de expressão.

Viva o samba!!!


Os vídeos abaixo apresentados foram produzidos com apoio da SEaD - UFSCar e integrarem os conteúdos disponibilizados pelo projeto "Prática de Samba: o aprendizado musical na roda."


Samba de Pirapora
(Geraldo Filme)




Canto das Três Raças
(Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro)


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

... o samba não é uma coisa só !